O ateu que se tornou secretário da SCB

Hipólito Gadelha Remígio nasceu em lar católico e, quando cursava o ensino médio, em escola também católica, aprendeu sobre o evolucionismo. Segundo ele, a matéria lhe foi passada com tal convicção que ele foi conduzido a crer que a vida e os seres humanos decorreram do acaso, sem qualquer interferência de um ser superior. “A consequência natural dessa convicção que em mim se formou foi passar a desprezar o cristianismo e a Bíblia, uma vez que eram contrários àquilo que eu concebia como ciência”, lembra.
O passo seguinte foi desacreditar na existência de Deus. Para o jovem Hipólito, não mais havia necessidade de Ele existir para que tudo o que hoje existe tivesse se tornado realidade.
Certa ocasião, em contato com colegas adventistas, ele se surpreendeu, por um lado, positivamente, com a firmeza e a beleza de caráter que eles refletiam; por outro, negativamente, com a crença em uma suposta “lenda” de que os seres humanos teriam se originado de um casal (Adão e Eva) e que estes haviam sido criados por Deus. Isso lhe parecia mais do que uma lenda: “Para mim, era algo nas raias do ridículo.”
Sobre esse tempo, ele conta: “Gostei, todavia, de estudar a Bíblia com duas colegas, que, de forma sábia, me instruíam acerca de Jesus, como um amável Salvador, e das profecias de Daniel, como uma evidência de que havia um Ser superior que tinha a capacidade de prever (ou de fazer acontecer) fatos políticos com centenas de anos de antecedência.” O fato é que as evidências proféticas criaram um conflito com as convicções ateístas de Hipólito.
Com o tempo, o jovem estudante passou a frequentar a Igreja Adventista Central de Fortaleza, da qual o ex-editor da Casa Publicadora Brasileira, Lícius Lindquist, era pastor. Para ajudar Hipólito a lidar com as dúvidas, o pastor Lícius lhe dava exemplares de uma “estranha revista”, a Folha Criacionista, publicada pela Sociedade Criacionista Brasileira (SCB). “Folheando aquelas páginas, o Espírito Santo foi me ensinando que a estrutura conceitual evolucionista não é científica, como pretende ser. Descobri que há cientistas que, de forma muito mais honesta e hábil, creem não apenas em Deus, mas em sua ação criadora do Universo, da vida e do ser humano.”
A literatura da SCB produziu uma completa revolução na cosmovisão de Hipólito, tendo sido o instrumento usado por Deus para lhe mudar as convicções ateístas e lhe ajudar a render o coração e a mente ao Salvador.
Quando se mudou para Brasília, Hipólito tornou-se associado da SCB e, depois, seu secretário. Seu desejo era voluntariamente ajudar a causa que tanto o ajudou.
“Hoje sou adventista e professor da unidade de visitantes da Igreja Central de Brasília. Entendo com clareza o conflito que reside em tantas mentes que, antes de aceitar qualquer coisa da Palavra de Deus, precisam ser primeiramente convencidos da existência de Deus e de que Ele é o Criador.”
Hipólito diz que usa os conhecimentos que “tão alegremente” tem recebido da SCB para procurar instruir ateus sinceros sobre o grande engano em que se encontram. “Para tanto, apresento as evidências científicas que os eventos e a literatura da SCB me têm proporcionado.”

(Hipólito Gadelha Remígio é consultor de orçamentos e fiscalização no Senado Federal. Formado em Direito e Contabilidade, com mestrado em contabilidade, atualmente cursa o bacharelado em Química na UNB. É secretário da SCB)

http://www.criacionismo.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s