Ter um caso faz bem ao casamento?

Pesquisadora da london School of Economics, a socióloga inglesa Catherine Hakim gosta de desafiar a moral vigente. Em 2011, ela publicou Capital Erótico, livro em que defendia o direito de usar a beleza para subir na vida. Agora, aos 64 anos, acaba de lançar The New Rules: Internet dating, playfairs and erotic power (em tradução livre, As novas regras: encontros pela internet, casos rápidos e poder erótico). Para escrevê-lo, Catherine entrevistou usuários de sites para infiéis. Eles contaram a ela que são felizes no casamento e que buscam parceiros sexuais na internet apenas para suprir a falta de sexo, comum na vida dos casais. Catherine defende essa atitude. “Gostar de comer em casa diariamente não nos impede de ir ao restaurante de vez em quando.” Chama atenção o fato de a mídia dar destaque a esse tipo de ideias, enquanto despreza outras que considera “fora de moda”, como a fidelidade monogâmica em um casamento heterossexual. Leia alguns trechos da entrevista concedida à revista Época[meus comentários seguem entre colchetes – MB]:

“As pesquisas mostram que, nos países com menor taxa de divórcio, os casos extraconjugais são mais aceitáveis e praticados. Nos Estados Unidos, onde a infidelidade é vista como pecado e não se tolera a mínima escapada, metade dos casamentos termina em divórcio. Na Europa, há uma cultura de que a fidelidade sexual no casamento não é tão importante assim. Não é à toa que, na Espanha e na Itália, a taxa de divórcio fica em torno de 10%. Nesses países, os estudos revelam a alta incidência de casais em que cônjuges já tiveram um ou mais casos durante o relacionamento.”

[É preferível pedir o divórcio em caso de traição ou permanecer numa relação em que a infidelidade faz parte do “cardápio” e em que se corre grande risco de contrair DSTs? Sabe-se que cerca de 50% das pessoas estão infectadas por HPV e que o preservativo não constitui proteção 100% eficaz contra o vírus, já que ele pode ser transmitido pela pele e mesmo pelo beijo. O HPV é o principal causador de câncer do colo do útero (isso sem falar da aids, da gonorreia e de outras tantas DSTs). Além disso, intimidades físicas desencadeiam reações neurológicas e hormonais além do controle consciente e que estabelecem vínculos entre os amantes (leia sobre isso aqui e aqui). Vale a pena esse risco todo? Vale a pena prejudicar o elo que deve existir entre cônjuges pela adição de um terceiro elemento?]

“A razão mais comum para [homens e mulheres] recorrerem a isso [traição] é um casamento sem sexo suficiente. Eles tentam encontrar quem também quer preencher essa lacuna. Para essas pessoas, ter um caso é uma ótima forma de manter um casamento feliz. Nos anos 1960 e 1970, era imoral ver jovens solteiros fazendo sexo antes do casamento ou morando junto. Agora, essas coisas são aceitas. Da mesma forma, sexo fora do casamento virou algo factível.”

[Somente porque um hábito se tornou socialmente aceitável, graças à campanha midiática intensa em filmes, seriados, novelas, etc., não significa que ele seja correto ou saudável. Sexo antes do casamento também carrega seus riscos e desvantagens, mas falar sobre isso hoje se tornou algo “antiquado”. E quem disse que o sexo no casamento acaba se tornando “insuficiente”? Se isso está acontecendo é porque falta amor ou criatividade ou boa vontade (podem ser outros os problemas, evidentemente, mas é preciso que se busque sempre a solução, não o escape). A verdade é que pesquisas revelam que casais religiosos são mais felizes na cama e muita gente afirma que, com o aumento da intimidade e o fortalecimento dos laços de amor entre os cônjuges, o ato sexual se torna mais prazeroso com o passar do tempo. No entanto, quando faltam amor e companheirismo/cumplicidade, resta pouco a ser feito no aspecto sexual.]

“Ambos os sexos sentem que, depois do período ‘lua de mel’, acaba a novidade. O outro se torna familiar e não causa tanta excitação. As pessoas gostam da segurança de um casamento, mas também sonham com fortes emoções. Querem se sentir atraídas e desejadas. Os casos oferecem de volta a empolgação com o jogo sexual, a fantasia aventureira, a afirmação da individualidade. A ideia de que os casos são proibidos e envolvem risco deixa tudo mais interessante.”

[Com todo respeito a Catherine, ela está por fora. Deveria expandir mais seu universo de pesquisa. Evidentemente que o período de paixão avassaladora dura algum tempo, sendo depois substituído pelo sentimento calmo, tranquilo, gostoso e compensador como o que pode prover uma relação baseada no amor verdadeiro. Creio que a pesquisadora nunca deve ter lido o livro bíblico de Cantares, que narra a intimidade excitante de um casal casado. Os cristãos são orientados a manter esse nível de intimidade prazerosa; se não estão vivendo isso, o problema não está com a instituição do casamento nem com Deus, mas com eles mesmos.]

“As pesquisas na França estimam que um quarto das pessoas casadas legalmente já teve pelo menos um caso na vida. Na Inglaterra, apenas um entre dez homens e uma entre 20 mulheres admitem. A principal lição dos franceses é não trair com alguém de seu círculo social, uma vizinha ou um colega de trabalho. Primeiro, para evitar fofocas e preservar a dignidade do cônjuge. Segundo, porque é mais fácil romper o caso se houver indícios de paixão. Lá, eles não se gabam da infidelidade para os amigos. Os encontros, que ficam em segredo, são em elegantes jantares e viagens. Das 5 às 7 da tarde, depois do expediente, é comum as pessoas casadas saírem com seus amantes. A maioria dos casais sabe que os casos são efêmeros e não justificam o fim da vida construída a dois.”

[O mundo anda tão torto que os maus exemplos passam a ser vistos como bons. Porque na França estão os que mais traem, ela passa a ser modelo para o resto do “mundo retrógrado”. Absurdo! E mais: além de trair, minta, a fim de manter a “dignidade” de seu cônjuge (!). Que outros “desvios de conduta” serão louvados em seguida? O incesto? A poligamia? A desonestidade?]

“Esses casos costumam não envolver sentimento e passam logo. Claro que a sociedade pressiona para que você se sinta mal pela infidelidade do marido ou da mulher. A fofoca é um poderoso mecanismo de pressão social. Se você tem um relacionamento que vale a pena, consegue superar. Um bom caso extraconjugal pode até melhorar o casamento, à medida que deixa as pessoas mais felizes e bem-humoradas. Um bom caso é aquele que não deixa a pessoa excessivamente ansiosa ou distante da mulher ou do marido. É algo leve, sem cobranças.”

[Relações íntimas sempre envolvem sentimentos e têm que ver com poderosos neurotransmissores que deveriam ser acionados unicamente em uma relação de amor e compromisso, pois servem para promover maior união entre os parceiros. O abuso no acionamento dessas substâncias faz com que se perca a capacidade de ligação íntima, o que acabará por prejudicar o próprio casamento. Infelizmente, com suas ideias libertinas, Catherine está prestando um verdadeiro desserviço e contribuindo ainda mais para a campanha satânica de destruição de uma das duas instituições estabelecidas por Deus no Éden: o santo casamento.]

Michelson Borges

http://www.criacionismo.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s